Poesia do silêncio

Nestas horas mortas que a noite cria, entre um e outro verso do pavoroso poema, que sob a pálida luz de uma vela eu lia, me chegavam antigas lembranças de um dilema.

Quanto amargo e dissabor o silêncio produz!
Entre as sombras vacilantes da noite, chegam em formas indefinidas, que sobre minha cabeça pairam, aves e outras criaturas aladas que de infernal recônditos alçam vôo até minha mente, a perturbar minh’alma.

Essas formas indefinidas das sombras criadas pelo medo, ocupando o vazio do meu ser, preenchendo o que antes era de sentimentos sublimes e, agora, somente o sentimento de dor.

O que antes era alegria, agora é tão somente o dissabor.

Que pena paga um condenado pelos sentimentos!
Oh, agonia incessante.
Que martírios mais terei que suportar?
Como um medo tão latente do desconhecido, pode tanto me apavorar? Será do vazio de minha alma que sinto medo?
Ou do esquecimento do meu ser, por outro já amado?

Não é do fim da vida que treme minha alma, mas do fim do sentir-se bem eterno.
Não mais existir não é tão doloroso quanto o existir sem ser notado, ou amar sem ser amado, ou perder o que jamais será recuperado.



((poema de autoria de Roger Silva))

Vanessa Blogueira nas horas vagas. Adora internet, apaixonada por programas gráficos, tecnologia e web design,e fascinada pela arte obscura, pela cultura gótica e manifestações artísticas ligadas ao universo sombrio.
Links:Twitter | Google+

Gostou do artigo? Compartilhe-o na rede!

Comente com o Facebook:

8 comentários:

  1. gostei sim seus dois blogs são lindos.

    coloquei seus links no meu blog.

    agradeço a visita
    escreva sempre! :-)

    abraços
    adriano siqueira

    ResponderExcluir
  2. Tem selinho para o Universo Sombrio tb, Clau...
    Tah lá no meu bloguinhooooo!!!!
    Tenha um lindo sábado, amiga...
    Bjinhosssssssssss

    ResponderExcluir
  3. Clau, tem outro selinho pra vc lá no meu blog...
    Uma linda tarde p/ vc, amiga...
    Bjinhossssssssss

    ResponderExcluir
  4. Carlinha, sabe q eu acabo me perdendo sobre os selos, sempre confundo qual é pro Gothic Darkness e qual é pro Universo Sombrio..rsrs
    Vou lá pegar amiga, obrigada pela indicação e pelo carinho...
    bjks...

    ResponderExcluir
  5. lindo poema; é realmente a Poesia Do Silêncio; quero divulgar meu blog de poesia obscura; http://gothic30.blogspot.com/; é poesia amadora, num deve tá nem perto de ser poesia, mas...^^; quem quiser dar uma olhada eu agradeço.

    ResponderExcluir
  6. sou eu:
    SEMEAR

    Já chegou o olho "vêio",
    que não consegue mais chorar,
    seja pro homem, falso ou verdadeiro,
    só a "contravida" vai ganhar!

    Se for a ação Boa e Sincera,
    mil revézes vai encontrar,
    mas se for de enganos e podridão,
    mil demônios te guardarão!

    Com a bondade vêm Azar,
    e com maldade Proteção,
    e tudo gira ao contrário,
    só pra furar teu coração!

    Mas não desanime "Felismino",
    o azar que vêns é construção,
    que te darás a força de mil homens,
    e completarás com êxito sua missão!

    Áli

    xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
    O DIA FINAL

    Desespero vadio,
    rogado, equivocado e sombrio,
    o Sol vem torturando a lembrar,
    e quadrado ilumina... -OH meu Deus! Se eu pudesse no tempo voltar!

    Intangível... se escoa o Tempo,
    escuto a terra animada a cantar,
    e os homens malditos... nem querem saber,
    e em casamento sombrio irão me entregar!

    Finalmente vejo o Sol levantando,
    dolorosa é a corda no meu pescoço a esticar,
    e a "vagabunda da terra"... percebo cantando,
    toda ansiosa para comigo casar!

    Áli
    xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

    ResponderExcluir

Seu comentário é SEMPRE bem vindo!
Assim que pudermos nós responderemos.
Ao deixar seu comentário, se quiser deixar a URL do seu blog, comente usando a opçãoOpenID
Muito obrigada e volte sempre!

 

Copyright © 2009-2015 - Universo Sombrio- Todos os Direitos Reservados | Template by Vanessa S. |