Diversos Wallpapers Góticos

Aqui você encontra uma variedade de imagens com mensagens de diversos autores que você pode usar no seu blog ou enviar aos amigos nas redes sociais.


Para melhor visualização,clique na imagem para ampliá-la e visualiza-la no tamanho original.


((Clique na imagem para amplia-la))




A lenda do Morcego Branco

Uma fábula de Adriano Siqueira


Geraldo, Alcides eram amigos a muito tempo e resolveram trazer o Lucas para pescar naquele rio. Eles eram bons para pescar e sabiam que ele jamais havia pescado. Seria ótimo contar para os seus amigos da escola que ele era mesmo um perdedor. Eles fizeram uma aposta com o Lucas para ver quem conseguia pescar mais peixes. Era comum naquela cidade que os jovens que pescavam mais peixes se tornavam grandes líderes de sua escola. Mas pescar a noite... Isso sim era um ato de coragem!

Geraldo olha para o rio e dá um sorriso e pergunta para o Lucas:
- Tem certeza que não quer desistir Lucas?
Lucas estava com a lanterna no chão e enquanto estava mexendo na sua mochila. Ele olha para o Geraldo...
- Não! Nunca! Se vocês já pescaram por aqui eu também posso!
Alcides olha para o Geraldo e dá um sorriso e todos começam, a armar as suas varas de pesca. Em poucos minutos os três estavam em silencio esperando o primeiro peixe quando de repente escutam um barulho. Lucas se assusta e deixa cair a sua vara no rio.
- Droga! Perdi a minha vara!
Geraldo e Alcides riem da situação do Lucas e comentam.
- Desista Lucas! Já é difícil ganhar da gente e agora que perdeu a sua vara podemos nos considerar vencedores.
- É isso mesmo Lucas! Você sempre será um perdedor!
Revoltado e olhando para a sua vara de pesca sendo levado pelo rio, Lucas responde:
- Eu não vou desistir! Vou pensar em outra maneira de pescar os peixes eu já volto.
- Peguei um! Peguei um! Geraldo gritava alegremente.
Lucas pega a sua lanterna e sai da beira do rio deixando os dois comemorando. Lucas anda pela floresta e fica falando sozinho.
- Eu nunca vou conseguir pescar os peixes. Eles têm razão! Sou mesmo um perdedor. O pessoal da escola vão rir de mim o ano todo! Para completar a minha namorada Marisa estava fazendo um bolo para comemorar a minha pesca. Tenho certeza que ela vai jogar ele na minha cara! Perdedor! Perdedor!
Lucas ouve novamente aquele barulho estranho e resolve investigar. Ele vai seguindo o barulho até chegar em um espinheiro enorme e ele finalmente vê um morcego branco preso bem no meio dele.
- Ah... Então foi você que me deu um susto... Eu deveria deixá-lo ai para sempre! Tem ideia do que você fez com a minha vida? Do que estou falando? Ele é apenas um morcego em apuros.

O morcego se debate tentando se livrar mas os espinhos estavam ferindo ainda mais o seu corpo. Lucas não aguenta ver a angustia do morcego. Ele tira a sua camisa e rasga em dois pedaços. Ele enrola um pedaço em cada mão, quebra alguns galhos, tira os que estavam prendendo o morcego. Ele pega o morcego e tira do espinheiro.
Lucas coloca o morcego no chão. O morcego se lambe um pouco e logo depois de recuperar as suas energias, finalmente sai voando.
Lucas dá um sorriso e diz:
- Pelo menos alguém se deu bem nesta história. É melhor voltar para o rio. Não vou conseguir pescar nada mesmo.
Quando Lucas chega no local onde os seus colegas estavam ele vê que cada um pegou cerca de dez peixes.

Eles estavam rindo a toa e começaram a rir mais ainda quando viram que o Lucas havia chegado.
- Olha lá Alcides! O perdedor assistindo nossa conquista!
- É Geraldo! Vamos fazer um troféu de perdedor e pedir para as garotas mais lindas da escola entregar para o rapaz! Vamos tirar fotos e espalhar pela internet! Ele vai ficar famoso!
Furioso, Lucas responde:
- Pois podem parar de rir! Saibam que eu tenho um plano para pegar mais peixes que vocês! Mas para isso eu preciso ficar sozinho aqui na beira do rio!

Lucas disse isso para não ter que ficar ouvindo os seus colegas caçoando da sua cara até chegar em casa. Ele bem sabia que não tinha plano nenhum. Ele ficou assistindo os seus colegas arrumarem as suas coisas, Eles deixam um cesto para Lucas colocar os peixes e antes de partirem eles avisam que receberá o troféu de perdedor logo que chegar na escola pela manhã.
Lucas senta na beira do rio bem ao lado do cesto vazio e fica ali, pensando na sua derrota. Era humilhante demais. Ele não queria mais pertencer aquele mundo. Quando mais ele pensava em como seria amanhã mais ele queria acabar com a sua vida. Ficou pensando em se jogar no rio e acabar com tudo ali mesmo. Ele estava chorando. Lucas levanta e se prepara para mergulhar naquele rio frio. Ele sabia que não iria sobreviver, pois nem sabia nadar. Ele respira fundo e é surpreendido por uma voz feminina.
- Então acabou!
O coração de Lucas dispara. Ele liga a lanterna e fica procurando a pessoa que disse aquilo. Ele fica gritando... – Quem está ai? – Quem é você? - Apareça alma penada!
Aos poucos uma mulher aparece bem perto da beira do rio. Ela era bem pálida e usava um vestido branco. Seus lábios vermelhos mostravam claramente os seus dentes pontiagudos.
- Você é uma Vampira?
- Quem eu sou não importa! O que você vai fazer... Sim!
- O que eu vou fazer não é da sua conta! Você não sabe nada sobre a minha vida!
- Eu estou aqui faz um bom tempo. Eu ouvi o que seus colegas disseram. Vai ser um verdadeiro perdedor se continuar com esse seu plano insano.
- É minha vida! Faço dela o que eu quiser.
- Vocês humanos vivem colocando fantasias nas suas cabeças só para ficarem tristes. Acham que procurando a morte, encontram a salvação. Será que não entende que os problemas fazem parte da vida? Que eles aparecem para ser enfrentados.
Lucas abaixa a cabeça e diz:
- Eu não sei como vou resolver isso.
- Você já está resolvendo. Você está desabafando com alguém. E geralmente os problemas de alguns são fáceis para outros.
- Acha que pode resolver isso?
- Não completamente. Mas posso ajudar. Se quiser.
- Claro que quero! Mas... Mas o que vai querer em troca?
Ela sorri e se aproxima... Diz quase sussurrando:

- Um amigo!
A Vampira olha para as arvores e com apenas alguns gestos vários morcegos aparecem e ficam rodeando o rio. Aos poucos, eles vão mergulhando no rio. Cada morcego pega um peixe e joga no cesto de Lucas. Em poucos segundos os morcegos conseguem encher o cesto. Lucas fica impressionado com toda aquela cena. Seus olhos começam a lacrimejar. Ele olha para a vampira e diz:
- Foi mesmo tão fácil para você.
Ele a abraça... Os morcegos voltam para as arvores.
- Se você vier aqui uma vez por semana, os morcegos encherão o seu cesto e assim poderemos conversar. A floresta é um lugar muito solitário.
Lucas concorda. Dá outro abraço na vampira. Coloca o seu cesto nas costas e segue o seu caminho alegremente pois ele sabe que amanhã será um ótimo dia.
Enquanto Lucas se afasta da beira do rio a vampira se transforma novamente naquele morcego branco que ele salvou.

O Hóspede de Drácula - Bram Stoker

O Hóspede de Drácula é um pequeno conto de Bram Stoker, o brilhante autor de Drácula, um dos livros mais conhecido de todos os tempos.



Sinopse:

A história é sobre um homem inglês que sai de Munique e, apesar dos avisos, acaba por se dirigir a uma antigo vilarejo considerado assombrado.
No meio de uma nevasca, ele se abriga em um cemitério.
Entre raios e granizos, coisas terrificantes e assustadoras vão conduzir nosso personagem à uma história sombria e agoniante, porém redentora, reunindo algumas das melhores qualidades do autor de Drácula, Bram Stoker.
Vale ler e reler a luz de velas.




A versão E-book foi publicada pela editora DarkSide e traduzida por Maria Clara Carneiro e Bruno Dorigatti.


O site Darksidebooks oferece o conto em formato E-book gratuitamente.
Para ler em tela cheia, clique dentro de uma página.




Para fazer download do E-Book, acesse o link abaixo:

Download free : O hóspede de Drácula




Boa leitura!

O espetáculo Nosferatu - De 08 de novembro a 14 de dezembro

Dia 08 de novembro - O espetáculo Nosferatu, com os atores Cléo De Páris e Eric Lenate,reabre as Sessões Malditas do Espaço dos Satyros, sextas e sábados, à meia-noite



Nosferatu


Montagem de Fabio Mazzoni[1], com os atores Cléo De Páris[2] e Eric Lenate[3], reabre as Sessões Malditas do Espaço dos Satyros,sextas e sábados, à meia-noite



Depois das apresentações no Sesc Consolação, o espetáculo Nosferatu (direção de Fabio Mazzoni, com os atores Cléo De Páris e Eric Lenate ) dá continuidade à temporada em Sessões Malditas, sextas e sábados, à meia-noite, no Espaço dos Satyros 1, na Praça Roosevelt.






O tenebroso personagem Nosferatu - do grego Nosophoros, o portador da peste - e o significado mítico da fábula do vampiro bebedor de sangue humano ganham nesta montagem enfoques distintos. A narrativa se desenvolve a partir de fragmentos de uma noite no calabouço de um castelo medieval e dos momentos de delírio de uma mulher tomada por uma espécie de possessão demoníaca. É sob essa atmosfera obscura, mergulhada num profundo e solitário crepúsculo, que a história é conduzida.


O texto é baseado nos escritos do blog Pueril, que a atriz Cléo De Páris mantém com sucesso desde 2006, no qual versa sobre questões contemporâneas e procura expressar o dilaceramento de seu universo íntimo.


Seus escritos contemplam questões do cotidiano com um lirismo atemporal e, por vezes, místico, que extrapola a contemporaneidade e visita outras épocas do sentimento humano”, diz Fabio Mazzoni, que, após várias experiências com teatro-dança, estreia na direção de um espetáculo com texto. É também o primeiro trabalho, em dez anos, da atriz Cléo De Páris – responsável pela dramaturgia com Mazzoni – fora do grupo Os Satyros.



Há uma beleza quase inaceitável na perplexidade do horror. Não é fácil se aproximar desse tipo de beleza, horrível e fascinante ao mesmo tempo. Nessa delicada equação poética, a barbárie de um ser das trevas vai lentamente eclodindo até encontrar um furtivo reflexo na contemporaneidade”, acrescenta Mazzoni.


A exemplo do que fez em “Amor Fati” (espetáculo de teatro-dança de 2005), Mazzoni utiliza apenas velas na iluminação. “A diferença é que lá eu usava quase cem quilos de velas por apresentação. Agora são pouquíssimas. Há cenas que são iluminadas apenas por uma vela, o que força a plateia e se concentrar ainda mais e acostumar suas pupilas à fraca luminosidade de alguns momentos. O espaço cênico é milimetricamente estudado e as velas são instaladas nos locais e alturas específicos para acentuar a atmosfera das cenas”, explica o diretor. “Além disso, a luz da vela tem um simbolismo muito propício para o tema do trabalho. Todas as cenas foram criadas a partir das sensações que a luz propiciou”, completa.


Corroborando para criar a atmosfera de mistério e terror do espetáculo, iluminação e trilha sonora provocam na plateia uma experiência sensorial e cumprem uma função narrativa importantíssima, direcionando a emoção do público. “A trilha e a iluminação nasceram junto às cenas. Sem a trilha e sem a luz, Nosferatu não existiria”, afirma. O diretor também fez uma pesquisa abrangente sobre resinas aromáticas para chegar ao “cheiro” deste trabalho e propiciar diferentes sensações.



Sugestão de Sinopse:

Na profunda e solitária escuridão de um calabouço, ecoam as litanias e os delírios amorosos de uma mulher contaminada pela mordida de um vampiro.




Ficha Técnica:

Direção: Fabio Mazzoni
Intérpretes: Cléo De Páris e Eric Lenate
Textos: Cléo De Páris
Figurino: Angela Coelho da Fonseca
Iluminação e trilha sonora: Fabio Mazzoni
Espaço cênico: Fabio Mazzoni e Eric Lenate
Fotografia: André Stéfano
Cenotécnico: José da Hora
Produção: ABX Produções




Serviço:
Onde: Espaço dos Satyros 1 (pça. Franklin Roosevelt, 214, Centro, tel. 3258-6345)
Estreia: Dia 08 de novembro, sexta-feira, à meia-noite
Temporada: Até 14 de dezembro. Sextas e sábados, à meia-noite
Duração: 60 minutos.
Recomendação etária: 16 anos
Preços: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia-entrada)
Lotação: 40 lugares




--------------------------------------------

[1] Fabio Mazzoni é ator, produtor e diretor teatral. Pertenceu ao Grupo Macunaíma, do diretor Antunes Filho, entre 1995 e 2001. Logo após, entre 2001 e 2005, foi diretor assistente do diretor Gabriel Villela. A partir daí, em parceria principalmente com artistas ligados à dança, começou sua pesquisa estética. Focado na experimentação, estreou “Amor Fati”, seu primeiro espetáculo como diretor de teatro-dança, interpretado pela bailarina Jacqueline Gimenes e coreografado por Mário Nascimento: “Tomara que essa parceria inaugure um processo que os impulsione, pois quando se lembra que Amor Fati representa somente um primeiro resultado, percebe-se o quanto ele já é sólido” (Helena Katz, O Estado de S. Paulo). Entre 2006 e 2007, realizou, entre outros projetos, a direção cênica da récita “Madrigal Crescendo”, do Maestro Diogo Pacheco, “Fragmentos Mozartianos”, para a Cia. 2 do Balé da Cidade de São Paulo e “Wotan”, sua primeira parceria com o coreógrafo Sandro Borelli. Em seguida criou “Hagoromo, o Manto de Plumas”, que recebeu o Prêmio APCA de Melhor Concepção de Dança de 2008, interpretado pela bailarina de butô Emilie Sugai:“Obra que promove aquela operação difícil de ser descrita, e que só a arte, quando dá muito certo, consegue realizar (...). A sutileza e o requinte balizam tudo o que esse Hagoromo envolve.” (Helena Katz, O Estado de São Paulo). Retomando a parceria com Sandro Borelli, criou “Welcome to the Machine” e um segundo solo para Jacqueline Gimenes chamado “Procurando Schubert”: “Para sobreviver nesse mundo apresentado por Mazzoni, a visão deve se transformar em tato (...). Procurando Schubert tem direção coreográfica de Sandro Borelli, habitual parceiro do percurso de Mazzoni na dança (...). A sintonia que ambos vem construindo encontra aqui um ajuste perfeito entre concepção e realização na forma de movimento” (Helena Katz, O Estado de São Paulo). Seu mais recente trabalho como diretor foi o espetáculo “O Último Stand Up”, também coreografado por Sandro Borelli e com a participação do ator Ivam Cabral,da Cia. Os Satyros.


[2] Cléo De Páris é também jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS). Iniciou sua trajetória como atriz na Cia. das Índias, de Porto Alegre. Já em São Paulo, em 2003, atuou no espetáculo “Corações Partidos e Contemplação de Horizontes”, texto de Dionísio Neto com direção de Renata Jesion. Ainda em 2003, cursou o CPT – Centro de Pesquisa Teatral do SESC, sob a coordenação de Antunes Filho. No cinema, atuou em diversos longas, médias e curtas-metragens, com destaque para “Encarnação do Demônio”, de 2008, com direção de José Mojica Marins, “Carnaval”, de 2001, com direção de Bruno Vianna, “Tolerância”, de 1999, com direção de Carlos Gerbase, “Nocturno”, de 1998, com direção de Dennison Ramalho e “A Vida do Outro”, de 1997, com direção coletiva dos alunos de Cinema da PUC/RS. Por este trabalho, Cléo recebeu o Kikito de Melhor Atriz em curtas e médias-metragens no Festival de Cinema de Gramado de 1998. Na televisão, em 2008, fez o telefilme “A Noiva” e, em 2009, a minissérie “Além do Horizonte”, ambos pelo projeto “Direções” da TV Cultura e com direção de Rodolfo García Vázquez. Há dez anos é integrante da Cia. Os Satyros. Participou das seguintes montagens do grupo: "A Filosofia na Alcova", "Cosmogonia", "A Vida na Praça Roosevelt", "Inocência", "Divinas Palavras", "O Dia das Crianças", "Vestido de Noiva", "Liz", "Roberto Zucco", "Cansei de Tomar Fanta", "Cabaret Stravaganza" e "A Nossa Gata Preta e Branca". Fora dos palcos, coordena o Programa Kairós da SP Escola de Teatro – Centro de Formação das Artes do Palco. Atualmente está em processo de ensaios para a nova montagem d’Os Satyros, “Édipo na Praça”, que tem estreia marcada para 16 de agosto.


[3] Eric Lenate profissionalizou-se em 2004 pelo SATED. Ingressou no CPT - Centro de Pesquisa Teatral do SESC em 2005, sob a coordenação de Antunes Filho. Em quatro anos de CPT, integrou do Núcleo de Cenografia e atuou nas seguintes montagens do Grupo Macunaíma: "O Canto de Gregório", "A Pedra do Reino" e "Senhora dos Afogados". Em 2006, com a criação de Antunes de um novo programa de estudos, passou a desenvolver seu trabalho como diretor. Sua estreia profissional se deu em 2008 com a peça "O Céu 5 minutos antes da tempestade". Bem aceito por público e crítica, foi nomeado para diversos prêmios, entre eles Prêmio Qualidade Brasil 2008 de Melhor Espetáculo. Em 2009 Lenate dá seguimento ao seu trabalho como diretor independente. Neste ano dirigiu "Natureza Morta" e "Celebração", esta última premiada no 13º Cultura Inglesa Festival como Melhor Espetáculo. Em 2011, dirigiu, cenografou e iluminou o espetáculo "Limpe todo o sangue antes que manche o carpete", projeto com a Cia. dos Inquietos. Em 2012, foi diretor e cenógrafo da peça "Um Verão Familiar", mais uma realização em parceria com a Cia. dos Inquietos. Ainda em 2012, assina a direção e a cenografia do espetáculo "Rabbit", projeto com a Companhia Delas de Teatro. Este trabalho foi indicado ao Prêmio Shell 2012 de Melhor Figurino e aos Prêmios CPT 2012 de Melhor Espetáculo e Melhor Direção. Realizou dois trabalhos como ator, em parceria com o diretor Zé Henrique de Paula: "Sideman", em 2010 e "No coração do mundo", em 2012/13. Por este trabalho recebeu o Prêmio R7 de Teatro 2012 de Melhor Ator. Lenate foi ainda indicado ao Prêmio Shell 2012 na Categoria Especial pela “força performativa de seus experimentos".

Colaboração para o Fanzine Adorável Noite 36

Olá Pessoal,

Drácula Voltou com tudo e o Fanzine do Adorável Noite também.
Então mande sua colaboração com os seus contos, poemas e ilustrações para a próxima edição "36" mês: novembro" (pois o número anterior 35 foi um sucesso e a versão impressa acabou rápido, e na versão digital já passou de 100 downloads :-D).

Envie seu trabalho para o meu e-mail: siqueira.adriano@gmail.com com o assunto (fanzine adorável noite 36)






Obrigado todos que adquiriram seus exemplares em versão digital ou impressão de papel. Fico muito agradecido com a divulgação e colaboração de sempre. \o/




Quem ainda não tem o fanzine 35 pegue aqui neste link:
http://www.overmundo.com.br/banco/fanzine-adoravel-noite-35



Ah... Não podia terminar a mensagem sem a minha famosa despedida.

"Abraços e tenham todos uma Adorável Noite" \o/




Adriano Siqueira

Novo Fanzine Adorável Noite - 35 Disponível para Download

Está disponível para download o novo Fanzine Adorável Noite número 35 do mês de outubro de 2013.

O Fanzine Adorável Noite foi criado por Adriano Siqueira - e é dedicado ao público que aprecia contos de vampiros e terror. O primeiro número foi criado em 2001 parou de ser produzido em 2009 e voltou neste mês com novos contos. Até hoje ainda é um fanzine muito apreciado para quem gosta de literatura fantástica e criaturas noturnas. Neste fanzine você também descobre como participar dos próximos números.

Baixe : AQUI


Nesta edição temos a participação dos seguintes autores abaixo:

Mestiça
Elenice Netto

Insano
Helio Flavio

Marcas no Pescoço
Alvaro Domingues

Segredos
Huevillyn Cipriano Romão

Vamps
Renato A. Azevedo

Daniel nos braços da vampira
Andréa Costa

Sujo de Sangue
Victório Anthony

O sombrio poder da eternidade
Stefany Albuquerque

Foto da capa - Rosana Raven

Algumas respostas sobre o Fanzine Adorável Noite.


Terá versão impressa?
Sim (200 exemplares) e será entregue em vários outros eventos até o final do ano.


Qual o intervalo de tempo entre um fanzine e outro?
3 meses.


O fanzine vai ter só contos de vampiros?
Pode ser de terror em geral que inclui FC de terror e vampiros, História em quadrinhos. Tiras cômicas, Ilustração e fotos produzidas para capa ou dentro (de vampiros)


Posso imprimir por conta própria?
Sim pois eu tenho versão para impressão é só pedir o Arquivo PDF e envio para distribuir na sua cidade como era feito por alguns amigos nos fanzines anteriores.


Obrigado pela colaboração de todos e tenham uma Adorável Noite.
Adriano Siqueira




The Following - a série

The Following é uma série de tv que estreou no Brasil dia 22 de fevereiro na Warner Channel.
Estrelada por Kevin Bacon, como agente do FBI pelo ator o ator James Purefoy na pele do serial killer, Joe Carrol.
A trama conta a história de Joe Carrol, um estimado professor universitário, apaixonado por romances góticos, fá incondicional de Edgar Alan Poe, se torna um serial killer.

The Following começa com a fuga do serial killer da prisão, onde estava prestes a ter a sentença de morte executada.
Ao escapar, ele passa a usar a internet com a finalidade de criar uma seita de serial killers.
O ex-agente do FBI, Hardy, retorna ao trabalho quando seu pior inimigo, resolve voltar à ação, e tenta coloca-lo de volta na cadeia.



Nos episódios teremos muitas referencias à Edgar Allan Poe na série e muita inspiração na sua obra.


Carroll comanda uma seita de dentro da prisão e a cada minuto Ryan Hardy percebe que a influência do psicopata sobre as pessoas é grande, assustadora.
Carrol é um assassino inteligente e charmoso. Um homem com aparência carismática, apesar de toda a violência, e tem uma forma muito elegante de expressar suas próprias razões insanas para justificar suas ações.
O charme e lábia de Joe ajudou com que ele ganhasse seguidores.
Seguidores

Ele manipula as pessoas até encontrar uma brecha que as faça perder o controle e as transforma em criminosos.

Seus seguidores o visitavam na prisão e, com a ajuda deles e tendo a internet como ferramenta, Joe conseguiu espalhar seus ideais. Ganhou ainda mais discípulos, dispostos a gastar anos de suas vidas em um plano para ajudar seu líder a praticar sua maior arte: assassinatos.

A trilha sonora da série é sensacional!

Inspirado nas obras de Edgar Allan Poe, o erudito professor de literatura, ensina a seus alunos que precisamos criar algo único e que seja só nosso.
Segundo ele, isso acaba se transferindo para a nossa escrita, ou no caso dos seus seguidores, na maneira de matar alguém. Enquanto Joe encantava seus alunos com essas afirmações, despertava neles a vontade de encontrar sua própria voz.

Depois de Joe Carroll você nunca mais vai olhar o seu professor de literatura da mesma maneira.

Vale a pena acompanhar a série.

Bloody Mary - a lenda da Bruxa do Espelho

Bloody Mary
A história da Bruxa do espelho, também conhecida como Bloody Mary, é provavelmente uma das lendas mais conhecidas por todo o mundo.
Não sabemos ao certo a sua origem, mas há quem diga que Mary foi executada há cem anos atrás por praticar as magia negra.
Em outras versões dizem que Mary era uma jovem que teve os olhos arrancados por um namorado ciumento, há também rumores de que Mary tratava-se de uma bela e vaidosa jovem que ficou desfigurada após um terrível acidente e que resolveu voltar dentre os mortos para vingar-se daqueles que caçoavam dela.

Bloody Mary ao morrer, ficou com sua alma presa na escuridão e o espelho, segundo mitologias, serve como uma espécie de portal para o outro mundo.

Dizem que se você disser "blood Mary" três vezes diante de um espelho, ela aparece!
Segundo a lenda, ao clamar seu nome por 3 vezes, o espírito de uma mulher cadavérica surge refletido no espelho e mata de forma sangrenta.

Há um caso famoso de 4 amigas que diziam não acreditar na lenda.
Suzana, Paloma e Daniela foram dormir na casa da amiga Mônica. Á noite Paloma começou a contar a suas amigas sobre lendas famosas da Europa.
Ela contou a suas amigas sobre uma bruxa chamada Blood Mary que vivia dentro do espelho.
Ao termino da lenda Mônica desafiou Paloma a ir até o banheiro e dizer 3 vezes o nome da bruxa de frente para o espelho.
Apesar do medo, Paloma aceitou o desafio. De frente para o espelho, disse 3 vezes o nome "Blood Mary", mas nada aconteceu.
Suzana, Daniela e Mônica começaram a rir da cara de Paloma, dizendo que ela estava com medo, e que a história que ela contara não passava de uma mentira.
Todas as amigas voltaram rindo para o quarto e acabaram dormindo.
Passado algumas horas Paloma, levantou-se e foi ao banheiro. Enquanto estava sentada no vaso sanitário, ela ouviu um ruido vindo do espelho. Assustada começou a gritar acreditando ser a bruxa.
No momento em que a menina olhou para o espelho viu a imagem de uma mulher cadavérica. O susto foi tão grande que ela não teve forças para gritar e a pobre Paloma caiu no chão do banheiro.
No dia seguinte, logo pela manhã, sua mãe a encontrou caída no chão do banheiro, e quando toicou em seu corpo, percebeu que paloma estava fria, com uma expressão de horror!
Os médicos disseram que Paloma morreu de parada respiratória, e que não souberam explicar a causa.
Paloma morreu sufocada,sem ar.
Sua amigas ficaram traumatizadas. Até hoje ela não tem coragem de olhar para nenhum espelho.

Todo cuidado é pouco quando se estiver na frente a um espelho!
Nunca diga 3 vezes o nome Blood Mary, a bruxa do espelho poderá aparecer para te matar.


Se você tiver coragem, assista esse video:


((Não recomendado para pessoas que tenham problemas cardíacos))


 

Copyright © 2009-2104 - Universo Sombrio- Todos os Direitos Reservados | By MB |