Último Soneto - de Alvares de Azevedo







Já da noite o palor me cobre o rosto,
Nos lábios meus o alento desfalece,
Surda agonia o coração fenece,
E devora meu ser mortal desgosto!

Do leito, embalde num macio encosto,
Tento o sono reter!… Já esmorece
O corpo exausto que o repouso esquece…
Eis o estado em que a mágoa me tem posto!

O adeus, o teu adeus, minha saudade,
Fazem que insano do viver me prive
E tenha os olhos meus na escuridade.

Dá-me a esperança com que o ser mantive!
Volve ao amante os olhos, por piedade,
Olhos por quem viveu quem já não vive!

(Álvares de Azevedo)

Vanessa Blogueira nas horas vagas. Adora internet, apaixonada por programas gráficos, tecnologia e web design,e fascinada pela arte obscura, pela cultura gótica e manifestações artísticas ligadas ao universo sombrio.
Links:Twitter | Google+

Gostou do artigo? Compartilhe-o na rede!

Comente com o Facebook:

Comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é SEMPRE bem vindo!
Assim que pudermos nós responderemos.
Ao deixar seu comentário, se quiser deixar a URL do seu blog, comente usando a opçãoOpenID
Muito obrigada e volte sempre!

 

Copyright © 2009-2015 - Universo Sombrio- Todos os Direitos Reservados | Template by Vanessa S. |